Loading...
Pontos Turísticos 2017-07-04T19:01:57+00:00

Praça Padre Jacob Stenico

A praça central é o principal ponto de encontro dos moradores e onde são realizadas as tradicionais festas de Santa Olímpia. Em 2009 foi recaracterizada nos moldes das praças tirolesas, utilizando do conceito arquitetônico muito difundido na região trentina (praça seca), foram inseridos objetos característicos, tais como floreiras, arandelas, fontes, brasões, dentre outros detalhes. É uma das únicas neste estilo em toda a região.

O nome da praça é uma homenagem ao grandioso, bondoso e festeiro Padre Jacob Stenico.

Igreja Imaculada Conceição

Através da iniciativa de Maria Correr Stenico, a “Zia Maria”, líder religiosa e social da comunidade, teve início em 08 de dezembro de 1913 a construção da primeira capela de Santa Olímpia. A capela ocupava o local onde atualmente se encontram as salas de catequese da atual igreja do bairro. Dois anos depois, no dia 15 de outubro, era realizada a primeira missa.

O Bairro Santa Olímpia crescia e para suprir a falta de espaços na capela, foi iniciada a construção de uma nova igreja, com iniciativa do Pe. Gabriel Correr, cujo início deu-se em 02 de março de 1953. Iniciaram-se as obras, enquanto na capela eram mantidas as atividades paroquiais.

A construção da nova igreja foi em sistema de mutirão, realizado pelos moradores da própria comunidade, que após o dia de trabalho no campo e principalmente nos finais de semana, se dedicavam à construção, que perdurou por algum tempo.

As obras foram concluídas em 20 de abril de 1957. A demolição da antiga igreja ocorreu no dia 29 de janeiro de 1966.

Calvário

O Calvário (“escadão”) foi inaugurado no dia 11/11/1945 pelo Bispo Dom Ernesto de Paula, em memória ao sacrifício de Cristo e das lutas e sofrimentos da comunidade em sua trajetória até aquele momento. Participaram na inauguração várias celebridades entre elas o Dr. Samuel de Castro Neves, pessoa muito voltada para as aspirações da comunidade; ali eram e são celebradas vias-sacras e procissões. Com um total de 90 degraus divididos em 15 lances de escadas, um para cada estação da Via-Sacra, este monumento religioso foi idealizado e construído motivado pela fé dos moradores.

Monumento Centenário

Para homenagear o centenário da chegada dos primeiros imigrantes tiroleses, foi inaugurado em 1992 o monumento aos pioneiros. Nele estão representadas a família patriarca com o nome dos fundadores, bem como são representadas a religiosidade do povo tirolês (terço) e da economia de cada região por onde passaram os fundadores: Uva (Tirol), Café (Campinas/SP) e Cana (Piracicaba/SP). A obra é assinada pelo escultor piracicabano Marco Antonio Cavallari.

Cròz e a Gruta

A fonte do “Cròz” (rocha dura) existe mesmo antes da fundação do bairro, quando ainda era uma fazenda de escravos, a mesma nunca secou e matou a sede de muita gente, especialmente os mais antigos. Possui um simbolismo muito forte na comunidade, pois antigamente a água do “Cròz” era utilizada para o preparo da comida e para a higiene (lavar roupas). Em 2000 a fonte passou por revitalização tanto da mata nativa em sua margem, bem como na sua purificação. A fonte fica localizada a 500 metros da praça Pe. Jacob Stenico em Santa Olímpia em uma área preservada e sua água é levada por tubulação subterrânea até a praça central, onde até hoje mata a sede dos moradores e visitantes.

Casarão – Museu e sede da Associação

A sede da Associação de Santa Olímpia é a mais antiga casa colonial do bairro, datada do início do século XX, e que serviu em outras épocas como local de encontros importantes e festas. No mesmo local funciona o Centro Histórico-Cultural, que possui um pequeno museu com objetos pertencentes aos pioneiros do bairro. Ali é possível descobrir o modo de vida dos primeiros colonos trentinos.

Sede do Coral – João Otávio de Melo Ferraciu

A sede do Coral Stella Alpina foi construída por seus próprios integrantes em um terreno bem localizado doado por um casal de tiroleses, apoio de empresas e associação e também a participação da equipe da cozinha que colabora com eventos para manter toda a estrutura do coral.

Agradecimentos da Regente:

“O grande Eduardo Forti, que nunca faltou a um ensaio e ajudou a colocar tijolo por tijolo da construção da sede. O João da Mefsa, que sempre contribuiu para a manutenção do grupo. Hoje é homenageado dando nome a sede, hoje seu filho Rogério mantém o apoio. Ao casal Efigênia e Evaristo Correr, que cederam o terreno para a construção da sede, o Circolo Trentino, Associação de Santa Olímpia e as lindas cozinheiras. Tudo é incrível”, afima Jânea Falcão.

Madona dei Cedri

Em um pequena área de mata nativa, conhecido pelos mais antigos como “´ntra le vale” (entre os vales), é localizado um pequeno santuário em homenagem a Nossa Senhora Imaculada Conceição. Em 1928, os moradores retiraram um pedaço de madeira “cedro” e encaminharam para um artista italiano em um mosteiro da capital, que confeccionou a imagem da santa em madeira maciça em tamanho natural e que esta no altar mor da igreja. Em comemoração aos 80 anos da santa foi construído este santuário que recebe visitas e peregrinação de moradores. Localizado a 2km da praça de Santa Olímpia.

A Fazenda Negri

Em 1899, Luis Negri, um imigrante tirolês de posses e amigos dos tiroleses de Santa Olímpia, comprou 66,4 alqueires da Fazenda Santa Olímpia e já com as terras que tinha da Fazenda Glória, transferiu a sede e fundou a Fazenda Negri, mesmo sem os documentos e registros das terras, sempre confiou na comunidade.

Luiz Negri participou das negociações com os tiroleses para regularizar a compra e toda a documentação da Fazenda Santa Olímpia, que teve sua escritura definitiva somente em 1912.

Até hoje a Fazenda Negri encanta os visitantes com seu estilo colonial, jardins, pomares e seus gigantescos flamboyants que ao florescerem criam um belíssimo espetáculo natural.

Os gramados da fazenda sempre se transformam em cenário de ensaios fotográficos de casais, debutantes e gestantes, é um lugar que garante uma bela fotografia.